ATENDIMENTO 24H (11) 2815.0234
11 3136.0692 / 3136.0384


Dedetização no Jaguaré SP

Atendimento imediato 24hs na zona oeste. Orçamento sem compromisso.

Você já passou pela incômoda situação de perceber que as tubulações da sua casa ou local de trabalho estão obstruídas? Isso pode acontecer na pia, fossa, vaso sanitário ou diretamente no esgoto. De qualquer forma, sempre acaba sendo uma dor de cabeça, principalmente quando o problema aparece em horários totalmente inapropriados, como à noite ou durante a madrugada.

Outro transtorno comum e igualmente aborrecedor é quando o ambiente acaba sendo invadido por alguma espécie de praga, como formigas, ratos, baratas, cupins e outros visitantes indesejados, animais capazes de transmitir doenças, muitas vezes, graves.

Dedetização no Jaguaré SP

No entanto, você não precisa mais se preocupar com nenhum desses problemas. Basta acionar os serviços da empresa Protec Pragas Desentupidora. Não importa se você mora na Zona Norte, Sul, Leste ou Oeste, pois ela tem várias filiais e atende em todas essas regiões!

Mais um ponto positivo: a Protec trabalha 24 horas por dia, ou seja, se você tiver uma emergência com pragas ou tubulações entupidas no meio da madrugada, basta entrar em contato e ser atendido por um profissional capacitado dentro de pouco tempo.

Agilidade, qualidade, credibilidade e preço justo são alguns dos princípios com os quais a Protec trabalha, a fim de garantir que você seja sempre muito bem atendido. Além disso, a empresa aposta sempre nas tecnologias mais modernas para resolver o seu problema corretamente.

Dedetização no Jaguaré SP

Entupimento de fossas, pias e vasos sanitários já não serão motivos para você perder o sono. E não é só isso: você faz parte do time que não tem a menor paciência para higienizar a caixa d’água com a periodicidade adequada? Não tem problema, pois esse serviço também é oferecido pela Protec Pragas Desentupidora!

O serviço é completo e pensado para garantir a sua tranquilidade. Isso quer dizer que você pode ficar sossegado e com a certeza de que a Protec respeitará os prazos que forem combinados, trazendo ainda a melhor relação custo-benefício desse segmento no mercado.

Dedetização no Jaguaré SP

Invista em qualidade de vida, evitando as doenças que podem ser provocadas pelas tubulações obstruídas ou pela proliferação de pragas. Entre em contato com a Protec Pragas Desentupidora e confira os benefícios!

Jaguaré é um distrito localizado na zona oeste da cidade de São Paulo, capital do estado homônimo. Subordinado à subprefeitura da Lapa, possui uma área de aproximadamente 6,6 km²1 e uma população de 42,4 mil habitantes, relativamente heterogênea e de classe média em sua maioria. Limita-se com os distritos paulistanos de Vila Leopoldina, Alto de Pinheiros, Butantã e Rio Pequeno, e com a zona centro-sul da cidade de Osasco. É constituído pelos bairros Centro Industrial Jaguaré, Conjunto Butantã, Jaguaré (onde encontra-se Vila Nova Jaguaré, maior favela da cidade em área contínua, ocupando o Morro da Sabão2 ), Parque Continental, Vila Graziela, Vila Jaguaré e Vila Lageado. Localizam-se no distrito o Mirante do Jaguaré, tombado pelo poder público municipal, e o Museu da Tecnologia de São Paulo, próximo à Cidade Universitária.

O distrito do Jaguaré foi projetado e construído pelo engenheiro Henrique Dumont Villares em 1935. Dono da Sociedade Imobiliária Jaguaré, Villares dividiu a região em áreas residenciais, comerciais e industriais, e incentivou sua ocupação, consolidada após a construção da ponte do Jaguaré, sobre o rio Pinheiros.3 Nas décadas seguintes, atraiu centenas de fábricas, tornando-se um dos distritos mais industrializados da cidade. O lento crescimento econômico registrado na década de 1980 afetou profundamente o distrito, que perdeu grande parte de suas empresas. Conserva-se até hoje, no entanto, como importante centro industrial, ao mesmo tempo em que assiste ao crescimento do terceiro setor.4 Nos últimos anos, registram-se investimentos no setor imobiliário, que começam a incentivar a verticalização das áreas residenciais, ainda predominantemente compostas por casas térreas e sobrados.1

 

Projeto urbanístico de Henrique Dumont Villares para o Jaguaré. Vista do Centro Industrial Jaguaré.

O Jaguaré foi uma das muitas áreas rurais situadas além dos rios Tietê e Pinheiros cuja ocupação e exploração só se iniciou após o expressivo crescimento do parque industrial paulistano e da explosão demográfica a que a cidade assistiu a partir das primeiras décadas do século XX. Por volta de 1925, alguns imigrantes europeus encontram-se instalados nos arredores do futuro distrito, ocupados por fazendas, sítios e chácaras. A região que compreende o Jaguaré propriamente dito era uma grande fazenda de 165 alqueires, pertencente à Companhia Suburbana Paulista, empresa responsável pelo loteamento de terras, fundada por Ramos de Azevedo. O nome “Jaguaré” deve-se ao ribeirão homônimo, que nascia em Osasco e cortava a região até desembocar no rio Pinheiros. O vocábulo tem sua origem no tupi-guarani e significa “lugar onde existem onças”, em referência aos felinos (em tupi-guarani, "jaguar", ou "jaguaretê") que habitavam as matas dessa região.

Torre do relógio do Jaguaré.

Em 1935, a fazenda é adquirida pela Sociedade Imobiliária do Jaguaré, empresa criada por Henrique Dumont Villares, engenheiro agrônomo formado na Bélgica, sobrinho e afilhado de Santos Dumont. Henrique Dumont Villares idealizou um projeto de urbanização para a região, dividindo-a em áreas residenciais, comerciais e industriais. As ruas foram desenhadas de modo que o centro comercial fosse rodeado por residências e estas pelas indústrias. Foram construídas 42 praças e diversas casas para os funcionários da empresa. No ponto mais alto do Jaguaré, ergueu-se um mirante dotado de uma torre com relógio e sino, cuja função era servir de símbolo ao novo bairro. Canalizou-se o ribeirão Jaguaré e executou-se o traçado do sistema viário.

Igreja de São José do Jaguaré.

Jaguaré próximo de Osasco

Desde a fase de implementação do projeto, no entanto, o rio Pinheiros já constituía uma barreira natural que limitava a circulação das pessoas e atrapalhava o plano de instalar um centro industrial na região. Em 1940, para sanar o problema, Henrique Dumont Villares doou à prefeitura a quantia de 700 réis a serem aplicados na construção da ponte do Jaguaré, ligando o distrito à também incipiente região de Vila Leopoldina, e, em seguida, à Lapa. O Grupo Matarazzo foi o primeiro a instalar uma fábrica na região. Com a conclusão da ponte, na década de 1940, outras dezenas de indústrias se instalariam no Jaguaré, incentivando o estabelecimento de funcionários e comerciantes e iniciando um período de grande crescimento econômico e demográfico. Em meados do século XX, o bairro já era considerado um dos mais industrializados da cidade, com mais de 125 fábricas e indústrias de pequeno, médio e grande porte.

 

 

Antiga subestação de energia no alto do Jaguaré.

Em 1945, um grupo de missionários canadenses funda a Igreja de São José do Jaguaré, a primeira do bairro, e em 1947, em parceria com os padres da Congregação de Santa Cruz, Henrique Dumont funda o Externato Jaguaré, primeiro colégio da congregação no país. Henrique Dumont também doou à prefeitura uma área de aproximadamente 150 mil m², para que nela fosse implantada uma área de lazer. O espaço, no entanto, nunca foi aproveitado, e passou a ser invadido a partir das décadas de 1960 e 70, com a intensificação da migração para a cidade. Hoje, a área constitui a favela Vila Nova Jaguaré. Com 12 mil habitantes, é considerada a maior da cidade em área contínua (sem ruas pavimentadas).

Nas décadas seguintes, prossegue a expansão da região e novos bairros são incorporados ao distrito, como Parque Continental (na divisa com Osasco), Vila Graziela, Vila Lageado e Conjunto Butantã. O longo período de recessão econômica iniciado nos anos 70 e agravado nos anos 80, no entanto, afetou profundamente o distrito, com a saída e fechamento de várias empresas. Apesar disso, o Jaguaré se mantém como importante centro industrial: no ano 2000, o distrito registrava a presença de 156 indústrias, que juntas respondiam por mais de 8500 empregos diretos - mais do que o comércio (3149) e o setor de serviços (6126). Sem embargo, vem crescendo a participação do setor terciário na economia do distrito: em 1975 foi inaugurado o Shopping Continental, o primeiro centro comercial da região, e grandes empreendimentos imobiliários têm influenciado a verticalização em alguns bairros do Jaguaré, onde, em geral, predominam as casas térreas e sobrados.

 

 







© 2016 Protec Pragas desentupidora e dedetizadora e Controle de Pombos
Todos os direitos reservados.
Nos sigam